Salvar postagem como: PDF

Total de visualizações de página

Anuncie sua empresa

Translate

junho 22, 2016

A essência da culpa

Erlon Andrade

Caminhando pelas ruas do Conjunto Cidade Nova durante a noite é fácil se observar que os tempos já não são mais os mesmos. As SNs pouco iluminadas e as Wes praticamente desertas. Todavia, fazendo-se uma comparação com a situação sombria, a qual se encontra a política canarinho, se pode definir como a população brasileira está se sentindo; sem luz, sem esperança e sozinha. Clamando por socorro!
No dia 17 de maio pela manhã, o grito de desespero ecoa em frente ao Pronto Socorro da 14 de Março. Um pai se sentindo impotente diante da situação começa a gritar e chorando se humilha para que seu filho receba atendimento, pois o mesmo está sofrendo convulsões uma após outra, devido uma meningite; sem que os enfermeiros e atendentes tivessem a atitude e profissionalismo de fazer valer o salário que recebem ou mesmo o juramento que proclamaram em alto e bom som no dia da formatura.
O pedido de socorro muitas vezes se manifesta através das lágrimas e de um gemido silencioso, por não haver mais palavras. Não existe mais o alimento sobre a mesa. Os filhos pequenos choram.
O desemprego está em número de milhões e as filas por uma vaga de trabalho se torna desumana. Os tempos atuais estão mais difíceis para as minorias; são os que têm o menor poder de compra. Em verdade, é a maioria da população. Conforme especialistas o rombo nas contas públicas do Brasil chega a 170,5 Bilhões. O maior de todos os tempos. Uma vergonha nacional.
Talvez, a tragédia brasileira tenha começado em 1500, ao ser descoberta por Cabral, ou melhor, invadida; foi a primeira invasão de bem alheio, das muitas que ocorreriam através da história. No entanto, a tendência da crise financeira é que não se estabilize tão cedo, pois, o problema não é o dinheiro, e sim, o mau uso dele. Projetos mal elaborados e muitas vezes com objetivos eleitoreiros, isto é, eles não têm como meta a finalização de uma obra iniciada com dinheiro público.
Assim sendo, o povo está angustiado e perplexo, diante das mazelas de uma liderança que está doente, em coma. Os líderes atuais não oferecem soluções, apenas prognósticos e promessas sem fim. Por outro lado, nem sempre a essência da culpa está no líder, porém, ele se torna culpado ao nomear gestores sem experiência, que acabam de alguma maneira levando o órgão público que gerenciam ao sucateamento, devido à má gestão e desvio de recursos.
A dignidade e honestidade conforme palavras proferidas em uma solenidade por Milton Taveira, não é apenas um direito, mas sim, uma obrigação do homem que ocupa um cargo público. No entanto, muitos líderes se esqueceram de que foram eleitos para representar e ajudar o povo; e na contramão dos bons costumes começaram a atuar em causa própria, denegrindo assim a imagem de Instituições. Não existe mais pudor, nem compostura. A orgia é geral. A “festa” não tem hora para acabar.
Apesar de toda a expectativa pessimista que impera a nível nacional, ainda se têm a esperança de dias melhores, nos quais se poderão encontrar líderes honestos e com integridade suficiente, prontos a recusar os subornos diários. A questão é: estaremos vivos ainda, para contemplar essa proeza?

Crônicas: JornaldeAnanindeua: faça o download - Mês de Maio 

1 comentários :

Do jeito que a coisa anda, se não mudarmos nas eleições de 2018, não sei se ainda vamos ver politicos honestos serem a maioria no congresso....

Postar um comentário

Todos os comentários serão bem vindos, porém, só aprovarei dentro do tema exposto.