Salvar postagem como: PDF

Total de visualizações de página

Anuncie sua empresa

Translate

abril 03, 2014

Alguém se importa?


QUEM SÃO CÉSIO E ANÍSIO? POR QUE EU DEVERIA ME IMPORTAR COM ELES? 




Se você chegou agora e está se perguntando isso, não tem problema, eu respondo.
Césio Brandão tem 56 anos, é casado há quase 30 e é pai de três filhos. Anísio conta 72 anos, também tem esposa, com quem é casado há 35, e os dois tem quatro filhos juntos. Ambos são médicos, e levavam uma vida não muito diferente da sua, leitor, dedicando-se à profissão e à família. Exceto que há mais de 20 anos, os dois – e suas famílias – sofrem para provar a inocência perante a Justiça do Pará.
No início dos anos 1990 os dois foram acusados de envolvimento em uma série de ataques brutais, ocorridos em Altamira, no Pará, contra cinco meninos, que tiveram seus órgãos sexuais extirpados; apenas duas crianças sobreviveram.
Apesar da ausência de provas materiais, e sendo as testemunhais altamente questionáveis, Césio e Anísio foram levados a júri popular , sob a fantasiosa teoria de que ambos integravam uma seita satânica, e, com o auxílio de Amailton Madeira e Carlos Alberto (falecidos depois do julgamento), e também Aldenor, sob a liderança de Valentina de Andrade, praticavam rituais de sacrifício humano.
O julgamento aconteceu em 2003. A única prova contra Césio era o testemunho de um senhor que afirmara tê-lo visto próximo ao local de um dos crimes, portando um facão ensanguentado; nessa ocasião tal senhor contava já 70 anos de idade. As testemunhas de Césio confirmaram o horário de saída do médico para o almoço e o horário de seu retorno ao hospital, na data em que o homicídio ocorrera; intervalo de tempo em que não seria possível deslocar-se até o local, atacar a criança e regressar ao trabalho. As provas contra Anísio eram igualmente infundadas, apesar disso ambos foram condenados, assim como os demais. Curiosamente, a “líder” da suposta seita, Valentina, foi absolvida.
No mesmo ano de 2003, pouco após o júri, foi preso no Maranhão o mecânico Francisco das Chagas, pelo desaparecimento de um menino. Chagas confessou 42 crimes perante a Polícia Civil maranhense e a Polícia Federal, 30 no Maranhão e 12 no Pará, na cidade de Altamira. Todos os casos eram idênticos: os meninos eram atraídos para uma mata erma, mutilados e assassinados; segundo o agressor apenas três sobreviveram, todos em Altamira. As alegações do mecânico foram confirmadas por investigações lideradas pela polícia Federal e assistidas pela criminologista perita em crimes seriais, Dra. Ilana Casoy. Não restavam dúvidas: Francisco das Chagas era um serial killer. Dentre os crimes confessados, estavam aqueles por que foram condenados os médicos, contudo, A Polícia Civil paraense nunca investigou o Chagas, o Ministério Público do Pará não ofereceu denúncia contra ele e o Tribunal de Justiça do Pará negou a apelação dos condenados, na qual reafirmavam sua inocência, alegando a autoria do mecânico.
Dia 26/03/2014, Chagas foi condenado no Maranhão, pela 11ª vez, pelos crimes que confessou dez anos atrás. No dia 24/03/2014, o pedido de Revisão Criminal de Césio e Anísio foi negado pelo Tribunal do Pará, sob a justificativa de que o mecânico não confessou os crimes de Altamira em Juízo, apenas para a polícia. Como se pode exigir dos familiares de Césio e Anísio que obtenham essa confissão? No último julgamento, Francisco das Chagas estava violento, agrediu até repórteres, o Tribunal considera que este homem esteja em condições, atualmente, de prestar um depoimento crível diante de um Juiz? Espera que a família obrigue a polícia civil a investigar ou o Ministério Público a interpor ação? E que será do recurso ao Superior Tribunal de Justiça, o entendimento será o mesmo?
E qual o interesse do leitor nessa macabra história? Simples: frente a corrupção, negligência, e descaso que caracterizam as nossas autoridades e instituições judiciárias, Césio Brandão ou Anísio Ferreira poderia ser qualquer um, inclusive você. Ou alguém duvida?


Ajudem a divulgar

1 comentários :

imagine que esse é só um entre zilhões de outros casos...

Postar um comentário

Todos os comentários serão bem vindos, porém, só aprovarei dentro do tema exposto.