Salvar postagem como: PDF

Total de visualizações de página

Anuncie sua empresa

Translate

março 06, 2008

Garoto de 8 anos aprovado no vestibular é barrado no 1º dia de aula


O estudante de 8 anos aprovado no vestibular da Universidade Paulista (Unip) de Goiânia foi barrado na porta da instituição na manhã desta quinta-feira (6). João Victor Portellinha de Oliveira foi à instituição para tentar assistir à sua primeira aula. “Quando chegamos, o porteiro já disse que a gente não podia entrar. Dever ter sido um erro de comunicação lá. Conversei e ele acabou deixando a gente entrar”, diz o pai do garoto, Willian Ribeiro, que também estuda direito na Unip.

Ribeiro conta que foi até a secretaria da instituição com João Victor e que o menino logo foi reconhecido por todos. “A moça [da secretaria] já me recebeu dizendo que vai devolver o dinheiro da matrícula e que ele não pode cursar”, conta.

O diretor da Unip, José Augusto Nasser, diz que João Victor não está matriculado no curso."Para se matricular é preciso apresentar o documento de conclusão do ensino e o pai do João Victor sabe disso, pois é aluno da Unip", diz. Ribeiro, no entanto, disse que embarca esta noite para São Paulo para tentar uma conversa com a direção da Unip.

A notícia da aprovação de João Victor, que está no 5º ano do ensino fundamental causou polêmica nesta quarta-feira (5). Os pais dizem que a iniciativa de fazer a prova foi do garoto. “Ele que está trilhando o caminho dele, a gente só dá uma força e apóia”, diz a mãe, a arquiteta Maristela Portellinha. A universidade reconheceu em nota da direção que João Victor fez uma boa prova. “O desempenho do estudante, levando em consideração sua idade e escolaridade, foi bom, especialmente na prova de redação, em que revelou boa capacidade de expressão e manejo eficiente da língua. A singeleza do conteúdo não destoava da linguagem simples, direta, coloquial, com poucos deslizes em relação à norma culta. Este fato o torna merecedor de um acompanhamento especial em seus estudos”, dizia o documento. No entanto, de acordo com o comunicado da Unip, o estudante não poderá cursar pois “participou do processo seletivo na condição de ‘treineiro’, numa prática adotada por várias universidades públicas e privadas”.

De acordo com a presidente do Conselho Estadual de Educação de Goiás, professora Maria do Rosário Cassemiro o garoto não pode ser matriculado devido a um artigo da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) que define que para cursar o ensino superior é preciso que a pessoa tenha concluído o ensino médio.
Insatisfação da OAB
A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de Goiás (OAB-GO) classificou a aprovação de João Victor como “preocupante”. “O fato materializa o alerta que a OAB-GO vem fazendo há tempos sobre a mercantilização do ensino jurídico, que não está sendo tratada pelas autoridades com a devida urgência que requer”, disse nota divulgada no site da Ordem.

0 comentários :

Postar um comentário

Todos os comentários serão bem vindos, porém, só aprovarei dentro do tema exposto.