Salvar postagem como: PDF

Total de visualizações de página

Anuncie sua empresa

Translate

fevereiro 12, 2008

TRAUMA DE UM PASSADO !






Nadadora Joana Maranhão

Joana Maranhão tinha 9 anos em 1996 e já era uma promessa na natação.De uma hora para outra,começou a não querer treinar.Bateu pé,chorou e acabou convencendo a mãe,a médica Terezinha de Albuquerque Maranhão,a mudá-la de clube.Também não quis mais frequentar a casa de seu treinador,Eugênio Miranda.A reação surpreendeu Terezinha.Ela e o marido haviam se tornado amigos de Eugênio,então com 37 anos,casado e pai de um menino e uma menina com idade próxima à de Joana.Nas férias,as duas familias passavam fins de semana juntas na ilha de Itamaracá,perto do Recife.E volta e meia a aluna dormia na casa do professor.Depois da mudança,perderam completamente o contato.Na semana passada,aos 20 anos,Joana veio a público acusar Eugênio de ter abusado sexualmente dela.Devido ao tempo decorrido,é impossível ter provas do que realmente aconteceu.Mas o relato de seu sofrimento é impressionante.Naquela ocasião,Joana tentou conversar com a mãe.Não foi ouvida."ela veio falar de um carinho mais íntimo,mas achei aquilo absurdo,parte de uma fantasia".Além de um bom técnico, o Eugênio era uma pessoa bacana",disse Terezinha.
Os anos de adolescência foram difíceis para Joana.Ela se tornou agressiva,deprimida e passou a sofrer de insônia.Quando viajava para competições de natação, preferia dividir o quarto com meninas de equipes rivais a dormir desacompanhada.Não suportava ficar sozinha.Há dois anos,numa noite de profunda angústia,decidiu se abrir novamente com a mãe."Foi muito doloroso.Senti raiva pela traição de confiança dele e culpa por não ter ouvido o que a Joana tentou me contar naquela época.Eu trabalhava até 12 horas por dia,não tinha horário fixo.Parei para rever esses valores desde então",diz Terezinha de 48 anos.Atualmente,Joana nomora um estudante de direito,faz terapia e tratamento com antidepressivos.No esporte,não passa por uma boa fase.Na olimpíada de Atenas,ela chegou à final da prova de 400 metros medley,um feito inédito entre nadadoras brasileiras nos 56 anos anteriores.
Hoje, ainda não alcançou índice que lhe permita participar da olimpíada de Pequim.Desde que Joana decidiu expor sua história,Eugênio foi afastado pela direção do colégio onde é treinador de natação.À reportagem ele negou as acusações e informou que, nesta semana,entrará na justiça com ações contra a mãe de Joana,que revelou seu nome à imprensa.O técnico alega que o rompimento das duas famílias se deu por causa de uma rixa de clubes.Joana treinava com ele no nautico e teria sofrido pressões para voltar ao português,onde começou a nadar e era vista como prata da casa."Ela se ausentou e não nos falamos mais.Não procurei saber o que tinha acontecido",disse.
A história contada por Joana expõe uma das relações mais cruéis que se podem estabelecer entre dois seres humanos.A pedofilia é um crime no qual a criança é vítima de uma pessoa maior,mais forte e,pior,de alguém em quem confia e a quem admira.Atualmente,a secretaria especial dos direitos humanos recebe 32 registros diários de crianças e adolescentes que sofreram violência sexual-quase sempre,dentro de casa.No caso de profissionais como treinadores esportivos,a confiança parte dos pais,que os apresentam aos filhos como bons exemplos.Por isso é tão difícil para a criança acreditar que está sendo vítima de tamanha barbaridade."O abusador se aproveita desse vínculo para garantir o segredo.A criança tem medo e vergonha de contar a outros adultos o acontecido",diz Renata de Assis,titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima,no Rio de Janeiro.
Por isso as histórias vêm a público com tanto atraso.A bielo-russa Olga Korbut,uma das maiores ginastas de todos os tempos,cuja marca registrada era o par de maria-chiquinha no cabelo,chocou o mundo em 1999 ao revelar,mais de duas décadas depois de seu auge,que ela e suas companheiras de esporte sofriam abusos frequentes dos treinadores soviéticos nos anos 1970.Renald Knysh,seu técnico desde os 8 anos,seria o mais atrós deles."Muitas ginastas não eram apenas máquinas esportivas,mas também escrava sexuais dos treinadores",disse.Outro caso de repercussão ocorreu em 2004,quando o australiano Gavin Hopper,que foi técnico da tenista Monica Seles,foi preso sob acusação de ter abusado de uma aluna nos anos 1980.Em 1995,Paul Hickson,técnico da equipe de natação britânica na Olimpíada de Seul,foi condenado a dezesete anos de prisão por ter abusado sexualmente de meninas que frequentaram suas aulas,em diferentes escolas.De lá para cá,praticamente todas as federações esportivas do Reino Unido criaram guias de conduta para professores que lidam com crianças.
Por aqui,o crime costuma ter pena branda: a condenação vai de 4 a 10 anos.Mesmo nos casos em que o algoz é punido,no entanto,é a família da vítima que sofre as piores consequências."A criança é violentada por um código que não conhece e por alguém que admira.E os pais têm dificuldade de escutar os filhos e carregam uma enorme culpa quando descobrem o que se passou",diz a psicanalista especializada em infância Luli Milman,da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
FONTE:REVISTA VEJA - EDIÇÃO 2048

0 comentários :

Postar um comentário

Todos os comentários serão bem vindos, porém, só aprovarei dentro do tema exposto.