Salvar postagem como: PDF

Total de visualizações de página

Anuncie sua empresa

Translate

fevereiro 03, 2008

As idades da Depressão


A entrada na casa dos 40 anos causa mesmo um tremendo baque emocional-e é muito difícil não evitá-lo.
Em compensação,quem chega aos 70 anos com boa saúde tem grandes chances de encarar o dia a dia com o mesmo otimismo e a mesma disposição que movem os jovens de 20.Essas são as duas principais conclusões da mais extensa pesquisa já feita sobre a relação entre a idade e a satisfação com a vida.O estudo,coordenado por economistas americanos e ingleses,analisou dados médicos de quase 2 milhões de pessoas de oitenta países,incluindo o Brasil.As informações foram obtidas em hospitais,clínicas e universidades.
Os quarentões concentram o maior índice de infelicidade e de casos de depressão independente de sexo,estado civil,condição social,número de filhos ou nacionalidade.A pesquisa conclui que a sensação de felicidade ao longo da vida evolui como um gráfico em "U".Está no auge por volta dos 20 anos,entra em curva descendente na década seguinte e chega ao fundo do poço na meia idade.A partir dos 60anos,a curva da felicidade recupera o fôlego e, aos 70 anos,volta ao mesmo nível relatado pelos jovens adultos."Os dados foram muito consistentes,mas ainda estamos estudando os desdobramentos da pesquisa"disse Andrew Osvald,professor da Universidade de Warwick,na Inglaterra,um dos autores do trabalho.
A fossa dos quarteirões e a boa disposição de jovens e idosos explicam-se em boa parte pelas situações que geralmente surgem nessas fases.Enquanto os jovens têm uma enorme confiança no futuro e os idosos saudáveis experimentam a sensação de dever cumprido,os quarentões enfrentam um cenário bem diferente.
Mesmo involuntariamente,a chegada à maturidade estimula uma análise da trajetória até aquele ponto de vida,muitas vezes acompanhada de sentimentos de frustração por projetos não realizados e de medo do futuro.
O resultado da pesquisa chama atenção para a maior discussão atualmente em pauta nos consultórios psiquiátricos:se a quantidade de diagnósticos de depressão é ou não excessiva.As estimativas mais divulgadas apontam que 20% da população muldial tem pelo menos uma crise depressiva ao longo da vida.
Muitos médicos acreditam que,na realidade,o número de doentes possa ser 25% menor.No livro the Loss of Sadness:How Psychiatry Transformed Normal Sorrow into Depressive Disorder(A Perda da Tristeza:Como o psiquiatra transformou o sofrimento norma em depressão),lançado no ano passado nos Estados Unidos,os pesquisadores Allan Horwits e Jerome Wakefield argumentam que antidepressivos como Prozac e Zoloft são frequentemente utilizados para tratar a tristeza,um sentimento natural do ser humano que,apesar de indesejável,nada tem de patológico."O tratamento com remédios só é indicado nos casos em que os sintomas incapacitam o portador de alguma forma",diz Marcio Versiane,coodernador do programa de depressão e ansiedade da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
"O que se observa hoje é que muitas pessoas tomam remédios em vez de enfrentar os problemas".conclui.

Está escrito:O sol nasce para os Justos e injustos: conclusão minha"Quanto mais as Trevas". Nos achamos diferentes muitas vezes,mas existem muitos iguais por aí !
FONTE:REVISTA VEJA EDIÇÃO:2046-06 DE FEVEREIRO 2008

0 comentários :

Postar um comentário

Todos os comentários serão bem vindos, porém, só aprovarei dentro do tema exposto.